Stuck On the Puzzle 17: Take Me Out.

N/A: Boa leitura!



Marine POV.


Enfim o grande dia havia chegado. Fomos para a última cidade da turnê, que era São Francisco. Dormi durante a viagem inteira, porque eu havia passado a noite anterior numa festa que Ellie havia me levado. Foi uma baita festa e eu me diverti pra caramba. Saímos de lá às seis horas da manhã e fomos direto para o hotel onde a banda estava.


Agradeci a Deus e todos os santos por ter dormido de roupa, só tive o trabalho de calçar as botas e fomos correndo para os quartos. O show seria à noite e aí eles teriam descanso, eu e Ellie voltaríamos para casa, as aulas começariam e tudo voltaria ao normal. Por mais que aquele normal não fosse nada divertido. Mas as coisas que aconteceram naquela festa e em certos momentos no backstage poderiam prejudicar gravemente a minha saúde se fossem frequentes, óbvio.


Eu estava um pouco nervosa pela escola, minha atenção teria que ser extra e eu tinha medo de não entender nada, mesmo que eu tivesse feito aulas de inglês por anos e eu detestava sentir medo de algo. Eu não queria sentir medo de forma alguma.


Todos nós passamos a tarde no estacionamento Burger King, lanchando e conversando em volta do carro de Alex (que olhava para mim imprudentemente, comendo e fumando ao mesmo tempo). Os caras pareciam bem animados e diziam que aquele show iria ser épico e inesquecível, mas o dono do Cadillac retrô permaneceu quieto a maior parte do tempo. Começo a pensar que aquele beijo não deveria ter acontecido, por mais que fosse um dos melhores que eu já tive. E sim, eu detesto ter que admitir isso. Ceder à aquele cara era algo que eu não podia nem pensar em fazer.


Me levantei dali e fui até o banheiro daquele lugar. Não fiz nada, apenas tranquei-me lá e fiquei me encarando no espelho por uns dez minutos. Mal abri a porta e senti uma mão me empurrando de volta.


“Preciso seriamente falar com você.” Eram Ellie e Jamie. Ela trancou novamente a porta. “É sobre o Turner.”


“O que ele quer dessa vez?” perguntei, sem paciência para o assunto.


“Você.”


Quase engasguei com a resposta, apesar de não ser lá uma grande novidade.


“Grande coisa.”


“Marine, eu estava com ele ontem e ele não parava de falar de você.” Tentei não sorrir. O rosto de Jamie gritava de pavor. “O que você fez?”


“Nada.” Respondo simplesmente.


“Está blefando.”


Arqueei as sobrancelhas enquanto olhava séria para ela, enfim me desviei e saí do banheiro, planejando voltar para o carro. Mas Jamie me interrompeu. “Se eu fosse você ficava longe dele”, disse. “Eu o conheço, Marine. Alex Turner apaixonado é uma coisa que é melhor nem imaginar. Seria preferível ficar cara a cara com um touro furioso.”


Respirei fundo, percebendo que a situação estava mesmo séria.


“Ele devia tentar o mesmo, então.” Digo, por fim.




Não falei com ninguém até a hora de irmos para a casa onde aconteceria o show. Aquilo não era verdade, mas sentia como se todos me odiassem naquele momento. Eu só queria ver o show do Queens, o que eu fiz de errado? Tantas tietes piradas com certeza melhores do que eu, por que Alex foi escolher logo a mim?


“No que tanto pensa?” disse Nick, sentando ao meu lado.


Demoro um pouco para responder. “Nada demais.”


Nicholas sorriu fraco para mim e me ofereceu um gole de seu refrigerante. Não aceitei. Estava sem sede e queria ser educada, eu acho.


“Olhe, eu não sei bem como lhe dizer isso, mas... Eu sei que tem algo rolando entre você e meu amigo.”


“Não tem nada rolando, eu juro”, disse. “Eu tenho namorado.”


“Tudo bem. Me desculpe. Eu não sabia.” Falou. “O que quero dizer é que...”


“Ficar longe dele, tomar cuidado.” Interrompi-o, sem pensar. “Eu já sei.”


“Cuidado, principalmente. Quando ele quer algo, ele não desiste até conseguir.”


Fiquei quieta, olhando para o tanto de fios elétricos que estavam espalhados por ali.


“Resumidamente, eu só quero pedir a você para que não se sinta culpada. Eu confio em você, sei que não fez nada e que não pretende arruinar ainda mais o coração dele.”


Detestava ter que mentir para Nicholas. Ele não merecia isso. No final, acabei sorrindo e agradecendo baixinho.


O show foi ótimo, Alex pareceu interagir mais com o público do que nos últimos dias. Todos tocaram bem, o som foi alto o suficiente e, como o esperado, no final haviam groupies e mais groupies dentro do camarim. Eu não tinha nada para fazer ali, então catei um refrigerante e procurei um lugar para ficar. Fui até o estacionamento, mas a quantidade de carros era pouca demais para que eu pudesse encostar em qualquer um. Aí eu virei para o lado e vi que tinha uma casinha bem ao lado da arena, com uma escada para o telhado. Subi e me sentei lá em cima, procurando alguma coisa para olhar que não fossem os carros parados ou os em movimento na rua.


Devo ter ficado parada lá por um bom tempo. De repente, ouvi o barulho de uma porta abrindo e fechando. Me curvei para ver quem era, e infelizmente a pessoa que andava mal equilibrada naquele sobretudo preto era Alex. Dava para sentir o cheiro da cerveja dali.


Observei-o, curiosa. Ele se encostou na parede e fumou um cigarro. Tentei não tossir, porque a fumaça incomodava um bocado, embora uma das minhas vontades particulares seja fumar. Eu já havia experimentado numa festa de calouros em Diadema, mas não me lembrava muito.


Assim que ele terminou o cigarro, começou a gritar meu nome como se estivesse me procurando. Acho que ele estava, eu tinha sumido sem dar notícias. Fiquei quieta até que ele olhasse para cima e me visse ali.


“Aah, Marine! O que você está fazendo aí?”


“Eu? Nada. E você?”


“Desça logo, sua irmã está procurando por você.”


“Não acho que trepar com o namorado no banheiro minúsculo do backstage seja procurar por mim.” Arqueei as sobrancelhas, cínica.


Alex respirou fundo. “Está bem.”


Ele andou até as escadinhas e começou a escalá-las, pelo menos tentou. Obviamente pelo fato nada surpreendente de ele estar bêbado.


“Cuidado.” Alertei.


“Não se preocupe, eu dou conta.”


Depois de uns gemidos de força vindos de trás, ele conseguiu chegar ao telhado. Pisou fortemente até mim e colocou uma vodka ao meu lado.


“Não, obrigada.” Eu disse.


“Eu não estava oferecendo.” Ele sentou-se ao meu lado e abriu a garrafa, dando um enorme gole.


“Ah, então foda-se.”


“Você parece emburrada.” Disse, na maior tranquilidade. Aquele cara só podia estar de brincadeira comigo.


“Você foi grosso comigo e ainda espera que eu seja educada?”


Alex sorriu de lado e aquilo me irritou. E aí ele bebeu mais.


“Você só consegue conversar comigo se tiver uma álcool por perto, não é mesmo?”


“Hm?” disse ele, rodando a tampinha.


“Você me ouviu.”


“Não se sinta especial, mocinha, a bebida me ajuda em muitas coisas.”


“Que legal, porque você não parece ficar nervoso quando fala com groupies.”


“Ciúmes?” pude saber que ele sorria pela maneira que soava sua voz.


“Tsc, deixa para lá.”


Ele se aproximou. “Aquelas são mulheres fáceis e desesperadas, não é preciso tanto esforço.”


Alerta de flerte!


“Uau.”


“Surpresa?”


“Nem tanto.”


A gente ficou quieto por um tempo. O único som que se ouvia era o dos carros passando e as vozes das pessoas que estavam dentro daquela casinha.


“Telhados são legais.”


“É, são.” Eu estava extremamente desconfortável sentindo que ele me secava com aquele olhar mortal.


Alex se deitou. “Posso te levar para jantar?”


“Qual é o seu problema?” perguntei, sem paciência. “Honestamente, olha só para mim! Eu tenho dezesseis anos, tenho namorado” ele fechou os olhos com força. “...E não quero absolutamente nada contigo! O que deu em você?”


Ele engoliu em seco e olhou para o horizonte, demorando um pouco para responder. Mas enfim tornou a dizer: “Eu acho que... ‘Tô apaixonado.”


Aquela resposta me quebrou de dez maneiras diferentes por dentro, não queria deixar transparecer mas meu corpo amoleceu e meu pulso deslizou da minha coxa, deixando nossas mãos próximas sem querer. Ainda mais levando em conta a situação em que nos encontrávamos. 


Inclinei meu queixo, reposicionando as mãos.



“Você não está apaixonado, você só está bêbado.”



***

N/A: Errnhh... Oi. ^~^

3 comentários:

  1. Até que enfim Alex admitiu!! Apesar de eu ficar com pena dele pela Marine ser tão dificil. Mas eles são perfeitos e fim. hahah

    ResponderExcluir
  2. “Você não está apaixonado, você só está bêbado.”
    AI MEUS FEELS.................poor Turner
    Pegar leve pra quê, né Gi!?
    Vou arrumar um calmante e ir pra próxima att.
    Xx.

    ResponderExcluir

Não precisa estar logado em lugar nenhum para comentar, basta selecionar a opção "NOME/URL" e postar somente com seu nome!


Se você leu o capitulo e gostou, comente para que as autoras atualizem a fic ainda mais rápido! Nos sentimos extremamente impulsionadas a escrever quando recebemos um comentário pertinente. Críticas construtivas, sugestões e elogios são sempre bem vindos! :)