Now then, Mardy Bum 18 - Stuck On The Puzzle

N/A: Capitulo imenso, mas cês merecem porque esperaram bastante. Cês sabem que é minha primeira fic e, consequentemente, primeiro hentai, então relevem. Eu não queria escrever nada muito explicito, nada muito 50 tons de cinza, porque não é algo que eu curta ler, quanto mais escrever.  Desculpa pra quem tava esperando mais caliente, haha. Espero que cês gostem, mesmo assim. ps: A frase "a que devo o prazer..." é do meu livro favorito e, como sempre sonhei que isso acontecesse comigo (huahua, mongol), coloquei pra acontecer pra Olivia. PS: Dedicatória à Luiza Corado, por ser linda e me ajudado com o hentai, tchamu. Pronto, caralhuda, hauhauh.

Há um debate fervoroso dentro da minha cabeça enquanto eu tento respirar com mais regularidade ao ver a silhueta de Alex se afastar e desaparecer porta a fora. Ele não olha pra trás ou vacila, mas mesmo que tente transparecer indiferença, posso sentir que ele quer que isso aconteça tanto quanto eu. Agora que suas mãos estão longe do meu corpo, posso raciocinar com mais clareza ainda que o formigamento em minha pele me impeça de esquecer o quanto eu estava decidida a fazer aquilo. 

Penso em ligar para Pablo, mas sei exatamente qual será seu grande conselho. “Dá pra ele!”, vai guinchar. Eu vou resmungar o quão odeio esse termo e ele vai me chamar de idiota e dizer pra eu fazer sexo com Alex, se assim soa melhor. Eu vou dizer que isso é uma má ideia e ele vai ficar furioso. Antes de desligar, vai dizer que se eu não “der” para Alex, vai procurar um novo colega de quarto.

Ou algo parecido.

É um pouco triste que eu tenha dois meses em San Diego e somente um amigo. Bom, dois, mas eu não estou considerando ligar para Jesse para pedir sua opinião. Mordo o lábio inferior olhando para as caixas que não terminei de contar e tento imaginar aquele ultimo mês sem os Monkeys. Sem os sorrisinhos de filhote de Nick, os resmungos e murmúrios esganiçados de Cookie e o sorriso torto e o lado hiperativo de Helders. Sem os beijos de Alex. Sem o senso de humor de Alex. Sem o sorriso infantil e sexy de Alex.

Balanço a cabeça tentando tirar aquele pensamento dependente e adolescente de vista e empurro o sutiã rosa pra debaixo do balcão com o tênis. Espio por dentro do vestido e solto um muxoxo ao notar que minha roupa de baixo não é exatamente sexualmente apelativa. Nunca pensei que estaria usando uma calcinha de porquinhos cor de rosa quando fosse parar na cama de um astro do rock. Mas, pensando bem, eu nunca pensei que fosse parar na cama de um astro de rock, de todo jeito. 

Entro no quarto/sala deles no hotel usando uma chave que peguei com Nick, há alguns dias. Encaro meu reflexo no espelho do banheiro (que, surpresa!, está aberto, com luz ligada e pelo menos três toalhas molhadas jogadas) e tento ajeitar o cabelo. Porque continuo agindo como uma pré-adolescente, sempre que penso nele? 

Avisto uma camisa surrada, mas limpa, pendurada na porta de Alex e instantaneamente um dialogo aleatório que tivemos semanas atrás me vem a mente, quando ele disse que não havia algo mais sexy do que uma garota usando a camisa do cara com quem ela estava. Tiro o vestido que estou usando e as botas num movimento rápido – não é como se eu quisesse que um dos Macacos abrissem a porta de seus respectivos quartos e me vissem. 

Hesito antes de bater. O anjinho do lado direito do meu ombro diz que ter vindo até aqui essa hora da noite provavelmente não foi uma boa ideia, enquanto o diabinho da esquerda ressalta que boas ideias não dão boas historias. Eventualmente, mando o anjo metafórico calar a boca e sigo os conselhos do tinhosinho. 

 — Vejam só quem voltou. — Alex me provoca com um sorriso doce. Ele se encosta na porta só um pouquinho, mudando de posição trocando o peso do corpo num pé para o outro, numa pose descontraída e relaxada. Seus olhos estão estreitos e apesar de saber que ele não estava dormindo, tenho a impressão de que estava próximo disso. 
— Gostou? — pergunto decidindo entrar no jogo dele, puxando a barra da camisa cinza e surrada, mas que cheira a sabonete e colônia masculina. Ele sorri com aprovação e fico feliz por ter me lembrado da conversa. 
— Sim... — cobre a boca com o punho, sufocando um sorriso — Mas me referi a camisa do cara com quem a garota está. Essa aí é do Matt. 
— Ai, caralho... — praguejo. Sim, há quatro caras nesse hotel e imaginar que a camisa cinza fosse dele simplesmente por estar pendurada no trinco de seu quarto é um pouco bobo. Homens e suas péssimas manias de desorganização! 

Alex me puxa pela barra da camisa com força e eu tropeço até ficar na sua frente. 
— Tudo bem, você deve ficar mais sexy sem ela, de qualquer jeito. 

Olho pra baixo e começo a questionar a decisão de ter me despido das minhas próprias roupas e colocado uma camisa e somente roupa de baixo. 

— E gostar é pouco, muito pouco. Digamos que dormirei feliz com essa visão... — diz e posso sentir a sinceridade em sua voz. Mordo o lábio inferior e mexo na barra da camisa mais uma vez, um pouco embaraçada porque não era exatamente nisso que eu estava pensando. E em um segundo seguinte, me entendendo, seu olhar se acende de malicia — Mas algo em sua expressão me dá a ideia que dormir é a ultima coisa que faremos, essa noite. 

Sua mão puxa minha nuca com pressa e sua boca encontra a minha de imediato. Começo a ficar ciente de como ele está vestido quando minhas mãos passeiam por debaixo da sua barriga desnuda (alguém andou trocando o jeans pra facilitar as coisas, bom menino), um movimento que o faz vacilar por meio segundo. Minhas mãos descem para o cós de sua calça – de moletom, pela textura que meus dedos sentem -, só para provocar. As mãos dele percorrem toda a extensão de minha coxa, mas sobem rápida e decididamente para meus quadris, onde repousam em cima da minha calcinha.

Sou empurrada para trás com certo cuidado, embora ainda tropece um pouco por não ter ideia de onde estamos indo. Ouço a porta sendo fechada atrás de nós e as mãos de Alex voltam a me explorar. Seus lábios se afastam dos meus por poucos segundos enquanto sua boca desce e deposita beijos molhados e pequenas mordidas pelo meu pescoço. Sinto minha pele se arrepiar e tento reprimir a reação instantânea que a boca dele me proporciona. 

 Suas mãos voltam para minha cintura, mas dessa vez está me guiando. Ando devagar para trás, sem interromper o beijo e Alex se move em direção a cama. A parte detrás do meu joelho toca a colcha macia e no segundo seguinte, seu corpo imprensa o meu contra o colchão de uma maneira deliciosa. Seguro seus ombros e aperto de leve minhas unhas em suas costas e posso ouvi-lo sorrindo. 

Com um movimento preciso, empurro seu corpo para o lado e ele demora um pouco para entender que quero mudar de posição. Continuo completamente vestida – isto é, se a camisa e a calcinha contar -, mas há muito pouco pano entre minha pélvis e a dele, enquanto me sento em seu colo. As mãos dele vão para minhas coxas, que o cercam, e minha bunda. 

— Olha só pra você... De repente, toda dócil. — Alex diz contra a pele sensível do meu pescoço, o halito quente me fazendo fechar os olhos por meio segundo. Sua boca repousa na minha pele com delicadeza, mas suas mãos estão fincadas em minha cintura com o desejo há muito reprimido. — A que devo o prazer? — ele pergunta se referindo ao meu lado menos agressivo das ultimas horas. 
— Ao prazer. — respondo simplesmente, porque a verdade completa é um pouco complicada de ser explicada. 
 — Ótimo, — murmura contra meus seios, depois dando uma mordida no meu lóbulo e empurrando meu cabelo para o lado, expondo meu pescoço — Não acho que aguentaria mais as provocações. 
— Ohh, isso é uma pena — não consigo evitar dar o sorriso torto que ele está tão acostumado em me lançar, impulsionando minha virilha contra a dele, num movimento vai e vem ritmado. — Porque eu adoro provocar

Seus dedos ossudos encontram a lateral da minha calcinha e passeiam por toda a extensão da minha barriga. Mordo o lábio interior e tiro a camisa de Matt pela cabeça, ficando totalmente consciente do meu corpo em cima do corpo dele. Mas Alex não diz nada, a principio, ele olha meus seios a distancia parecendo hipnotizado e surpreso. E aí, quando eu começo a achar que há algo errado e procuro a camisa novamente para me cobrir ele dá um largo sorriso de moleque no dia de Halloween e diz: — Puta. Que. Pariu. 

Acompanho o sorriso mais confiante enquanto ele os fecha em sua mão, no tamanho exato de sua palma. Quando eu me movimento para frente, estimulando-o, seus olhos encontram minha calcinha. 
— Porquinhos, huh? — há um sorriso brincalhão e debochado em sua voz. — Quão erótico. 

Brinco com a lateral da calcinha, me fazendo de ofendida.
— Há uma garota seminua sentada em seu colo. Vai mesmo se preocupar com o que ela está vestindo? 

Ele balança a cabeça em afirmação. — É horrível. Tira. 

 — Faça as honras, Mr Turner... — ronrono distribuindo beijos na lateral do seu pescoço. É macio e tem um cheiro incrível. Por um momento sinto vontade de recolocar a camisa de Matt e enterrar meu rosto ali, mas Alex não me deixa esquecer dos arrepios que provoca ao passar as mãos da base da minha costa em direção à bunda. 

— Vamos começar a nos chamar pelo sobrenome Mrs Fernandez? — Alex pergunta com um fio de voz, emaranhando a pronuncia correta do meu nome. Sou pega de surpresa que ele lembre do meu sobrenome, ainda mais sendo brasileiro.

— Você está certo, é um pouco forte. — pondero com a cabeça — Como se eu fosse sua dona. Não gosto dessa ideia... — balanço a cabeça e sorrio de lado, implicando com ele — Prefiro o contrario. 
Alex morde meu ombro e fala contra minha pele — Acho que se pode dizer isso, essa noite. Observo ele. — Eu estava brincando. 
— Eu não. — responde sem me olhar.

>Com um movimento rápido e preciso, ele volta a ficar em cima de mim. Suas mãos escorregam para entre minhas pernas e ele pressiona minha intimidade só um pouquinho, antes de retirar a mão e puxar a calcinha para baixo. As mãos de Alex moldam a posição em que quer que meu corpo fique e minha perna esquerda é colocada ao lado de sua pélvis, com o joelho flexionado, enquanto ele empurra a direita, se encaixando entre minhas coxas.


Puxo seu rosto com as mãos pois cada segundo longe da boca dele parece longo demais. Não sinto mais vergonha ou penso na situação, só deixo suas mãos passearem por toda extensão de meu corpo enquanto sua boca prova e explora a minha. Mordo seu lábio com força quando ele faz movimentos circulares com o polegar em meu sexo. Sufoco um gemido mordendo seu ombro. Isso parece excitá-lo, Alex sorri e continua o movimento fazendo um pouco mais de pressão dessa vez.

É um sentimento conflitante. O prazer que a mão dele me proporciona é absurda, mas meu corpo se contorce como se quisesse que ele parasse. Espero que Alex não interprete dessa maneira. É como se eu não pudesse respirar direito, se a mão dele não estiver mais lá.

— Eu preciso... — balbucio. — Eu q-quero...
De algo. Não parece o bastante. Ainda que seja delicioso e meus lábios estejam doloridos de tanto mordê-los, falta alguma coisa.
O que? — Alex murmura bem pertinho. — O que você quer, Olivia?
— Você... — falo pausadamente, ofegante. — Dentro. De mim.
Acho que nunca o vi sorrir tão abertamente. É adorável e erótico, tudo ao mesmo tempo.
— Com todo prazer.

Ele me penetra com força. Dói, mas de um jeito bom. Pela maneira como me olha, sei que está confuso com a falta de espaço. “Estou machucando você?” ele pergunta preocupado. Nego veemente com a cabeça. Estava, mas eu não iria dizer. “Você é uma péssima mentirosa, Mardy Bum” ele murmura, mas não para. Graças aos céus ele não para. Alex investe mais lentamente, porém, beijando e mordendo meu pescoço. Meu corpo relaxa enquanto ele me estimula com a mão e então, quando eu finalmente o encaro, posso ver o desejo. Ele me quer. Estou na cama com Alex Turner e ele me deseja com tanta força que é impossível não ficar com o corpo em brasas, só com esse pensamento.

Sua respiração fica descompassada, alta e incrivelmente sensual. Como o simples ofegar de alguém pode me excitar dessa maneira? Em alguns momentos eu observo, e em outros eu só deixo meu corpo sentir toda a onda de prazer que varre minha alma. Sussurro algumas palavras em português, entre meus gemidos.

— De novo. — ele pede. Demora tempo demais pra que eu entenda. — Isso q-que você disse. Diz d-de novo.
E eu repito. Mais uma vez. E mais uma. E mais uma.

Aparentemente Alex acha aquilo extremamente sexy, por que continua sua tarefa com mais avidez, com mais vontade, pressionando agora meus seios com as mãos. Empurro seu corpo para o lado e sento em seu colo. Alex dá um meio sorriso fraco, sacana, enquanto me conduz através das mãos em minha cintura. Me movimento bem devagar, provocando ele com um sorriso igualmente sacana. E então, um crescente incêndio começa no meu corpo e nem eu consigo manter o ritmo lento, eu preciso de mais, Alex precisa de mais e meu corpo parece estar em chamas. Aumento o ritmo dos movimentos, fincando minhas unhas em seus ombros e peito. Ele não tira os olhos de mim nem por um segundo. Não foco em mais nada além daquele momento. Palavras saem da minha boca sem controle algum. Aí eu gozo, explodindo e sentindo meus ossos se tornarem espuma. Alex não demora mais que um minuto para urrar baixo, o meu nome e depois “fuck”.

Escorrego para o lado, o corpo languido aninhado eu seu braço. A respiração dele não voltou ao normal e tento tirar a franja levemente suada da testa.

— Acho que essa era a hora em que deveria perguntar se gostou da surpresa... — comento sobre ter vindo até aqui, me entregado ao desejo. Do jeito que sou orgulhosa, não era de se admirar se ainda estivesse batalhando contra meus princípios lá no apartamento. Agora que estou no quarto dele vejo que foi a melhor decisão, provavelmente. 

Alex recoloca o moletom cinza, sem pressa. Ele brinca com o anel no dedo, girando-o algumas vezes. 
— Não foi exatamente uma surpresa.
Franzo o cenho, tentando recuperar o fôlego. — Eu podia ter mudado de ideia. 
— Eu sei. Mas tinha uma forte convicção de que viria, apesar de tudo. 

Reviro os olhos e bagunço a franja, tentando tirá-la do rosto. — Eu podia ter mudado de ideia. — repito como uma garotinha enfezada — Percebido que a ideia fora estúpida no final das contas. Acha que eu não conseguiria resistir ao Turner fodão? — pergunto de brincadeira. 
— Ah, não, você consegue. É terrivelmente boa nisso, na verdade. Eu só tinha certeza que você não queria resistir. 
— Porque tem que ser cretino o tempo todo? 

Alex dá um pequeno sorriso contido e provavelmente cheio de significados que não consigo ter certeza sobre. Ele troca o anel pelo isqueiro e passa a manuseá-lo com interesse excessivo, antes de acender um cigarro e me olhar com atenção. Estamos a mais de quarenta centímetros um do outro, mas ainda sim, há momentos em que sinto que está tão perto quanto poderia estar. Minha mão sente falta de bagunçar seu cabelo e eu a coloco embaixo da coxa para sufocar a sensação.

— Porque você gosta. — responde e sopra a fumaça ao alto. 
— Cala a boca — resmungo — Não gosto, nada. 
— Gosta sim, mas se acha durona demais para admitir. 

 Não percebo que estou rindo até ouvir minha risada sem humor. Sento numa posição mais ereta. 

— Inacreditável. Até na cama nós vamos ficar com essas briguinhas e provocações? 
— Prefere deitar de conchinha e falar sobre nossos sentimentos? — Turner faz quase um biquinho, zombando de mim, antes de dar outra tragada. 

Olho para o teto e me pergunto se essa não é uma boa hora de começar a fumar de verdade, porque quando Alex e eu começamos a discutir, parece ser a hora perfeita para um cigarro. Visto a calcinha por debaixo do lençol branco e macio, depois tento puxá-lo até acima de meus seios, numa tentativa de me cobrir, mas ele puxa o outro lado do lençol fazendo descer até minhas coxas. 

Então Turner me olha por tanto tempo que posso sentir meu rosto inteiro corar. Resisto ao impulso de cobrir meus seios com as mãos ou algo parecido e mordo o lábio inferior, num sorriso embaraçado.
— Eu sou meio... grande — digo me referindo às curvas naturais das brasileiras. 

Seu olhar passeia pelas minhas pernas, meus quadris e meus seios. 
 — Sim, em todos os lugares certos. 

Ele realmente gosta do que está vendo e esse pensamento me faz ficar menos tímida. Me inclino em sua direção para despejar beijinhos no pescoço pálido e macio, sabendo que estou proporcionando uma bela visão com esse ângulo. 

Ele me toca com delicadeza. Não há motivo para pressa, agora. Temos uma noite inteira e Alex faz questão de explorar todos os cantos do meu corpo com os dedos. 

 — Tão bonita... — É tudo que diz, fazendo movimentos ritmados na lateral da minha cintura. Me esquivo levemente, sorrindo e percebo que ele está me usando como guitarra. O dedo médio e o indicador fazem notas musicais e ele está tão concentrado que fico com medo de me mexer. — Eu poderia tocar você o dia inteiro... 

 — Ficaria entediado logo, logo. — digo olhando para baixo, passando as unhas em seu antebraço e me perguntando qual musica eu sou. 

 — Duvido muito.

Seus dedos continuaram dedilhando minha barriga, me fazendo sorrir. A noite tem sido louca, nada e exatamente como imaginei que seria e meus olhos começam a pesar. Definitivamente não estou agindo como a Olivia que costumo ser e de algum jeito que não consigo explicar, gosto disso. É cansativo ser durona o tempo todo. É gostoso ser menininha de vez em quando. E como o sono começa a prejudicar minha habilidade de tomar decisões, acabo agindo como uma tiete. 

— Cantaria pra mim, se eu pedisse? 

As notas musicais silenciosas são interrompidas, enquanto ele me encara. Parece surpreso.

— Está pedindo? 
— Você cantaria? 
— Você está pedindo, Olivia? — as notas recomeçam. 
 — Uhum... — digo fechando os olhos e fazendo um travesseiro embaixo do queixo com a mão esquerda. 
— Claro, por que não... — Sinto ele dar de ombros, se esticar e puxar o violão antes encostado em uma cadeira acolchoada — Qual música quer ouvir? 
— Qualquer uma. Todas. — balbucio devagar, ainda de olhos fechados. — A primeira na qual você pensar. 


(depois - pode distrair, haha - que lerem o capitulo, cliquem no titulo do video e assitam. É bonitim demais!)

Os acordes não me são familiares, mas por uma certa falta de familiaridade sua, percebo que não é uma musica com a qual você costuma tocar somente no violão. Ainda sim é lenta, doce e sua voz preenche o quarto como uma canção de ninar. Estou naquele lugar confortável entre o acordado e dormindo, onde os problemas simplesmente não conseguem chegar e os pensamentos começam a ficar difíceis de serem entendidos. Consigo acompanhar a canção, porém, e essa é mais uma daquelas letras poéticas e cheias de coisas a serem ditas que você costuma escrever e que me inquieta profundamente. Vinte e sete anos e seu talento para musica é do tamanho do mundo, mas cabe num caderninho surrado e cheio de rabiscos ilegíveis.


I'm not the kind of fool | Eu não sou o tipo de tolo 
Who's gonna sit and sing to you, | Que vai sentar e cantar para você,
About stars, girl. | Sobre estrelas, garota. 

But last night i looked up into | Mas a noite passada eu olhei para 
The dark half of the blue, | O lado escuro do céu, 
And they'd gone backwards | E elas já tinham ido embora

Something in your magnetism | Algo em seu magnetismo 
Must have pissed them off, | Deve as ter irritado, 
Forcing them to get an early night. | Forçando elas à dormirem cedo

 I have been searching from | Eu estava procurando 
The bottom to the top, | Da base até o topo, 
For such a sight | Por tal visão 
As the one i caught when i saw your... | Como a que eu peguei quando eu vi os seus...

Fingers dimmed in the lights | Dedos esmaecido nas luzes 
Like your used to being told that you're trouble | Como se você estivesse acostumada a ouvir que está encrencada 
And i spent all night | E eu passei a noite toda 
Stuck on the puzzle | Preso no enigma


39 comentários:

  1. O.O Estou sem palavras, mas isso foi tão BOOOOOOOOOM! Sério, foi quente sem ser explícito, e foi foda, parabéns! Agora vou tomar vergonha na cara e postar Reckless

    Bjos, Babs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, sério? Eu não 'senti' a parte quente, mas deve ser porque eu não tô acostumada né? De qualquer jeito, obrigada, Babitcha! Suas dicas me ajudaram. :)

      Excluir
  2. Nossa é lindo,valei à espera.

    ResponderExcluir
  3. Ai, esse capitulo foi lindo demais. Meu dia tava uma merda e eu precisava de uma capitulo da sua fic e de repente quando eu entro eu encontro aqui. Mas enfim, acho que todas nós temos uma Olivia dentro, ser durona o tempo todo cansa e às vezes se entregar ao nosso lado menininha, inocente é o melhor a se fazer, quanto ao Alex... Ele mostrou que se importa com ela que apesar de tudo, de todas as coisas ditas existe muito sentimento ali. E esse sexo dos dois foi incrível, foi carinhoso. To ansiosa pelo próximo. haha bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Posso morder seu comentário? Que gracinha! Muito obrigada, Anne. Era exatamente isso que eu queria mostrar. Ficaria ruim se eu tentasse ser extremamente caliente e tal, porque eu nem saberia e porque não acho que combine com a Olivia, huahua. Adorei o que cê disse, muito obrigada mexmo.
      Beijos

      Excluir
  4. OMG muito perfeito o capitulo <3 AMEI! e Stuck on the puzzle é tãoooo linda e combinou muito com a fic *-* quero maisssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Combinoooou? Hahaha, é lindinha demais mesmo. Achei que ficaria lehgal como algo que o Alex dissesse pra Olivia.
      Obrigada, fico feliz! :D

      Excluir
  5. Amei o capítulo!Quando ele chegou no final, falei:"Já?!Poxa...Ai meu Deus, preciso de pelo menos mais um parágrafo!".Achei muito fofo o fato da Olívia pedir para o Alex cantar uma música para ela e ele cantar Stuck on the Puzzle :3 Admiro a forma que a Olívia agiu:era durona no início mas agora, começa a se "soltar" um pouco.E admiro ainda mais o fato do Alex estar carinhoso com ela nesse capítulo, não a tratando como se fosse "apenas mais uma". Não tenho palavras para expressar o quão boa o capítulo da fic está! Meus parabéns e por favor, capítulo 19;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas eu achei que tava era grande demais! Hahaha. É muito importante que vocês gostem, e ver que entendeu o jeito da Olivia, amolecendo com o tempo, é ótimo. Exato, esse tinha que ser um capitulo mais meloso mesmo, era algo mais especial pra ela que pra dele, tecnicamente falando, e eu queria que ele fosse um cara bacana, não um cretino presunçoso. Obrigada, obrigaada! :)

      Excluir
  6. isso foi extremamente bom!!! incrivel! ja tenho partes preferidas que eu fiquei lendo e relendo umas 5 vezes... como a babs falou, foi quente mas nao explicito! fiquei com invejinha da Olivia! hahaha parabens!
    fiquei curiosa pra saber qual o seu livro favorito? (por sinal a parte que ele fala isso... meu deus maria jose!)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Raquelinda! Quais foram suas partes favoritas? haha. Eba, que bacana que cê entendeu que nã era minha intenção soar muito vulgar e tal. Obrigada!!
      Bom, eu tenho vários livros favoritos, mas esse que eu tava falando era Sociedade Secreta (volume 3) - Diana Peterfreund. É muito descontraído, divertido, e sexy. Recomendo bastante. :))

      Excluir
  7. huehuehueheuheuehueheu já sabia #chupahaters

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adoro quando você comenta coisas relacionadas ao capitulo, sua maldita HUAHUAHAUHA

      Excluir
    2. cocozenta! a culpa não é minha se vc é uma amiga ingrata #hashtag

      Excluir
  8. Nossa que fooda !! parabéns já estava com saudades !! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Tayna! Até eu já tava com saudade deles. :)

      Excluir
  9. Aaaaawwwn capítulo liiindo!!!! Adorei, muito fofo, sem palavras aqui :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaa, tá fofo? Obrigada, fico feliz que tenha gostado. :)

      Excluir
  10. Acho que morreria naquela cama naquele momento.
    Sua fic me está desgraçando, não vou parar até encontrar um cara que me faça isso! (eu, demasiado aluada e sonhadora) Culpa sua e do sexgod do Alex!
    :3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Huhauhauh, sério, Sara? Adorei. Espero que ache um igualmente satisfatorio como o Alex foi pra Olivia. :D

      Excluir
  11. Um capítulo muito bem escrito, parabéns.
    Estava MUITO ansiosa pra esse capítulo e, olha, não me decepcionei em nenhum sentido.
    Simplesmente maravilhoso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não sou acostumada a escrever hentais, então fico ocntente de não ter decepcionado vocÊs. :D

      Excluir
  12. bom, sou uma das leitoras que nao comenta, (desculpa meninas), mas desta vez, eu não aguentei, porque olha, eu quero maisssssssssss, qual é? adorei a fic inteira e já reli umas 6 vezes ou mais, entro todo dia anciosa pra ver se tem capitulo novo ):, quero mais. Aliás, o capitulo foi muito bem escrito, parabens.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tem problema, bonita. Eu gosto de ler o comentário de vocês porque fiz uma boa amiga por causa da fic e como todas temos algo em comum, gosto da interação. Mas obrigada por comentar! Fico feliz. Obrigada pelos elogios. :)

      Excluir
  13. Capítulo lindo, mas lindo mesmo. Todos os detalhes foram válidos e só tornou ainda mais gostoso de ler. Nada explícito demais, um hentai que expressou a personalidade da Olívia e do Alex ao mesmo tempo, o que é conflitante, mas você se saiu absurdamente bem pra uma primeira vez. Claro que poderia ter muitos detalhes mas é que ficou absolutamente perfeito assim, desse jeito.
    Parabéns mesmo, cada minuto lendo valeu muito a pena!
    Adoro sua fic e também já reli algumas vezes, estou anciosíssima pra ver como Olívia vai acordar dessa noite maravilhosa com o nosso amante dos sonhos...
    Beijos, e POSTA LOGO!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que comentário lindo, Debroca! Sério, fiquei muito feliz em ter alegrado, satisfeito vocÊs com esse capitulo, por que eu relmante não estou acostumada a escrever esse tipo de coisa.
      Eu tô muito sem tempo porque agora começou minha faculdade e eu acabei de me mudar, mas espero conseguir escrever e postar no carnaval!
      Obrigada pelo comentário. :)

      Excluir
  14. FICOU INCRÍVEL
    É exatamente o tipo bom de hentai; te dá uma visão boooa da coisa mas sem aquela pegada de pornô de tiazona haha
    Caralho, to sem palavras. Eu acompanho faz tempo mas nunca me manifestei, e tenho que dizer que voce evolui como escritora cada vez mais. Uma pergunta, voce se vê na Olly? É que tudo soa tão pessoal que eu nao consigo deixar de pensar que tem muito de você nisso haha
    eu amo Mardy Bum, deve ser minha fic preferida e nossa... só continua! E parabéns!
    Lembre-se que nos fez esperar muito por essa, então merecemos uma att rapidinha pra proxima ;D xoxo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei, Julia! Fico feliz que tenha se manifestado, é muito importante ter a resposta de vocês nos comentários, suas lindas, hahaa. E que bom que não ficou pornô de tiazona, eu realmente não queria ir por esse caminho. Me vejo sim! Na verdade, acho a Olivia meio meu alter ego, sabe? A mulher menos menininha que eu gostaria de ser quando interessada num cara; o lado durão e sarcástico também. Eu amo garotos com senso de humor, então coloquei bastante no Alex de NTMB.
      É a sua fic preferida? QUE LINDA, EBA!

      Excluir
  15. Lia Rodrigues01/02/2013 16:03

    um simples comentário....P E R F E I T O <3

    ResponderExcluir
  16. "Observo ele. — Eu estava brincando.
    — Eu não. — responde sem me olhar."
    UOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOU EU PIREI!
    Nossa! Nunca achei que nossa querida Olivia fosse tão safada, provocadora e sexy, Lu-chan. EU ADOREI!
    E... OI NOVAMENTE! Sou eu, a Paula, tipo sem nem deve mais se lembrar da minha linda pessoa, mas... FODA-SE! Depois de... sei lá quanto tempo eu abro sua MP e vejo o link, sorry...
    Beijão, Lu-chan da:
    Paula/Pipoca/ Mei-chan.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paulitcha, que saudade dos seus comentáarios! Claro ue eu lembro, não seja boba, sempre fico feliz em ler as coisas que você escreve em respsta aos capitulos. E fico mtmt feliz que tenha gostado.
      Beeijos :D

      Excluir
  17. jafbcewhd cvaegfiwehfb ealb OH DEUS! Como ficar melhor? Não tem como, esse capítulo é muito bom bom! Ficou provocante na medida certa, sem muito exagero, perfeito! Capítulos novos agora!

    Lívia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Livia, que bão que não ficou exagerado. Espero que tenha ficado sexy e bonitinho o suficiente, porém! HUAHU Beijos e obrigada pelo comentário. :))

      Excluir
  18. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  19. até fiquei emocionada ao ouvir Stuck on Puzzle no final, deu um toque muito lindo ao casal <3 (me senti a Olivia LAÇSKÇL) mais um cap. perfeito, parabéns, sua linda :3

    ResponderExcluir
  20. porrrr favor escreve maaaais

    ResponderExcluir

Não precisa estar logado em lugar nenhum para comentar, basta selecionar a opção "NOME/URL" e postar somente com seu nome!


Se você leu o capitulo e gostou, comente para que as autoras atualizem a fic ainda mais rápido! Nos sentimos extremamente impulsionadas a escrever quando recebemos um comentário pertinente. Críticas construtivas, sugestões e elogios são sempre bem vindos! :)